Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2012

Horas....

Está na hora das avaliações. Produção de papel em larga escala, porque milagres não acontecem!

Quando pensava que as coisas não podiam ficar pior...

... eis que após 4 anos a lecionar nas regiões autónomas, me dizem que a partir de AGORA o tempo de serviço prestado nestas regiões não conta para efeitos de graduação no concurso do continente, mas o mais ridículo, se estiver em Timor, parece que conta!!! Resumindo, além de concorrermos como estrangeiros, já devemos ser e não sabemos, uma vez que a nossa avaliação não tem relevo no continente, apesar de ser mais exigente, pois ainda temos aulas assistidas para obter a menção de Bom. Mas pior, vindo de uma universidade do continente, acabamos por ser penalizados duas vezes: a primeira porque não concorremos em 1ª prioridade na Região Autónoma dos Açores sem completar 3 anos de serviço na região, o que implica que fiquemos com os lugares que os próprios açorianos não querem (ilhas pequenas) e agora, depois de nos sujeitarmos a tapar buracos, sacrificar a nossa vida pessoal e familiar em prol do ensino ainda nos dizem que afinal, afinal... o melhor é irmos para o desemprego ou enveredar …

Este é internacional...

mas os nossos dias, são todos os dias, nos nossos mundos, dificuldades e na persistência da esperança de um dias as nossas filhas não tenham de provar que são tão boas como qualquer homem.

Livro Casa das Sete Mulheres

Acabei de ler há coisa de dias um livro que comrei numa feira do livro ao quilo, A Casa das Sete Mulheres. Porque aindo aprecio ler sem A.O. e gosto de ler na língua em que as histórias são contadas. Adorei o livro, apesar de reconhecer que o número de personagens e os nomes semlhantes podem confundir os mais distraídos. A história retratam tempos passados e o outro lado da guerra que são as mulheres que esperam e desesperam sem saber o como, porquê e onde irá acabar. Num mundo de realidade desenrolam-se personagens com sonhos e ambições, presenciamos a morte e a vida. O renascer de um mundo novo muito igual de ideais.
"D. Ana segurou a mão fria da sobrinha entre as suas. - Não se apoquente... Vosmecê precisa ficar calma, Manuela. Não quero que Maria fique le fazendo sofrer mais... Isso é um segredo nosso, está bem? Vou ler a carta hoje para as outras, mas pulo esta parte. Só eu e vosmecê saberemos desse causo. Assim vai ser melhor para todo mundo. Deixe Giuseppe para lá, ao menos …

Às vezes não é fácil andar por cá