Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2010

Doce, docinho...

A vantagem de estar mais magra: comer sem sabor a pecado.

O que sou

Bocadinhos de mim, do meu mundo, das minhas casinhas de recordações guardadas nas dores que teço em silêncio e sorrindo... as palavras saem, jorram de ondas sinistras e impiedosas de esconderijos... em mim navego para te encontrar, para me esquecer que à tona sobrevivo e é dentro que me guardo e escondo. Não sou o livro aberto que julgam ler, não sou o que quero ser... sou um condominio em que coabito com os meus vários eus e me afundo na imensidão da conquista inacabada. Quantas vezes me descobriste? Quantas pensas ter-me descoberto? Embora jures que me conheces, acredita que nunca me chegaste a ver!

Olha o puto!!!

Até já a formiga tem catarro!

Cama...

Porque será que não me apetece sair da cama? Isto de ter problemas e sono só me cansa!!!

Altos voos... grandes quedas

Inseguro e perdido o voo no incerto abismo do que és. Perdido na vida do que queres ser. Aprendeste a voar, terás de aprender a cair. Ergue-te! Experimenta-te! Recolhe- te ao valor de te descobrires frágil e inseguro. Assegura-te das tuas respostas, esconde os medos de nunca puderes ser e olha longe, sem dor, com medo, porque é ele que te dá a sobrevivência, é ele que te protege da queda dura e fria da ilusão perdida... Se podes ser feliz? Podes, claro que sim. Tens apenas de ter noção de que a felicidade nunca será eterna... mas até lá... voa o mais alto que puderes, porque é no topo do voo que encontrarás a felicidade extrema. E afinal, a tua melhor verdade será que a felicidade nunca é eterna.

Desterrada

Encontro-me assim, sem terra, sem chão, sem piso nem voo que me alente a emoção de estar. Só... encontro-me igual ao que fui... triste, mas cheia de coragem. Baixo a cabeça, mas nunca a luta... perdida encontro-me no estado sucinto do que não queria, mas onde me perdi. Consciente que estou, sinto-me mais forte... nasci para me erguer e vivi para merecer provar que me elevo além do sonho, além da solidão, além da tristeza que corroi, mata, tortura em passos trémulos, mas certeiros. Hoje, sou um anjo desiludido, caído do alto dos meus sonhos!

À deriva...

A água, o sal... a força de me procurar, de me esconder, de me reaver, de me sentir para não sentir mais... a força. Quando quiseres... fica, vai, mas não te escondas... como eu.