Avançar para o conteúdo principal

Esteja eu onde estiver, Romana Petri #marçofeminino


Resultado de imagem para esteja onde estiver livro

Romana Petri é italiana, desconfiei. Como é que uma italiana vai escrever um livro de Portugal, ainda por cima com 567 páginas?! e desenrolado ao longo do século XX?!

Margarida, mulher sofrida, sem casa, apaixona-se por Carlos Freitas, que lhe deixa uma casa arrendada, uma filha e mágoa de um grande amor casado e com aspirações financeiras maiores.

Custódia, solteirona, casa com galã machista, Belmiro, que gosta de dinheiro e muitas mulheres. Vive amargurada, mitigando a sua dor de forma egoísta e singular. É patroa de Margarida, a quem deverá os poucos momentos de felicidade da sua vida.

Maria do Céu, filha de Margarida, afilhada de Custódia. Mulher forte e lutadora, como a sua mãe, cria 3 filhos de um marido ausente, Tiago, traidor e fraco. 

Rita, Vasco e Joana, filhos de Maria do Céu e Tiago ficamos a conhecê-los e com vontade de saber o resto das suas vidas.

Ainda conhecemos Violeta, uma deficiente física, irmã de Belmiro, que cuida de Maria do Céu, mas nunca é aceite pelo irmão.

Este livro retrata-nos as histórias das primeiras três mulheres, envolvendo-nos numa narrativa que ocorre em Portugal, Lisboa, e nos prende desde a primeira personagem. Fala-nos de personagens imperfeitas, de erros repetidos, de destinos emendados e de maternidade, do amor maior, dos filhos. Aliás, o amor parece-nos de várias formas, singular, despedaçado, sofrido, retomado, estranho, mas... amor. As personagens desfilam aos nossos olhos, odiamo-las e amamo-las com a mesma intensidade e no fim... apetece-nos mais.

"Maria do Céu esboçou um sorriso, para entrar no jogo agarrou a mão da mãe e encostou-a à boca como se recuperasse a língua que depois mostrou fazendo uma careta. Não havia janela naquele vão de escada, para arejar era preciso abrir a porta, embora o ar que entrava daquela maneira fosse pesado e cheirasse a mofo. Aquilo que nunca entrava naquele cubículo era a luz. Margarida dizia-lhe sempre que sem luz não há vida, e falava-lhe sempre da pequena casa que tinham quando ela nascera, uma casa pobre, mas com uma janela que dava para os telhados de Lisboa e para o Tejo. Maria do Céu pensou que a casa que tinha encontrado tinha a mesma vista, mas não disse nada à mãe para não a afligir. Quantas vezes tinham passado diante da porta daquela casa! E de todas as vezes Margarida fazia-a parar e dizia-lhe "Foi aqui que nasceste." Diante daquela frase, Maria do Céu sentia sempre uma dor do peito, como um abrandamento da respiração, uma oclusão. Ao dizer aquela frase a mãe ficava radiante e ela sentia-se morrer. A casa, a casa onde os seus pais se tinham amado, a casa onde o seu pai enganara a sua mãe. Ainda o esperava? "

Este livro serviu também para integrar o desafio #marçofeminino. Escrito por uma mulher e sobre mulheres.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

O início da socialização

A família é um lugar previligiado da socialização e é lá que tudo se inicia. Ainda hoje algumas crianças ficam, durante os primeiros anos de vida, entregues aos cuidados dos avós. Por volta dos 3-4 anos surge a dúvida - será que é melhor que se mantenham com os avós, ou é preferível inscrevê-los no pré-escolar? Os avós têm as suas vantagens no que respeita ao monopólio das atenções e da disponibilidade total, contudo, ao ingressarem no ensino pré-escolar, as crianças são obrigadas a adquirir hábitos, regras e, sobretudo, a interagir com os outros, isto é, aprendem a partilhar. É o começo de uma etapa, em que a socialização é a pedra-de-toque. As crianças necessitam de conviver de perto com outras da sua idade, para aprenderem a viver em conjunto. Nesta fase, as brincadeiras em grupo são geralmente de índole teatral ou criativa. Aos 4-5 anos, tendem a brincar aos pares ou então sozinhas. É a educadora que os divide, porque se não tenderiam a agrupar-se por sexos - meninas para um lado …

Porque escolhi viver, Yeonmi Park

Depois de ter lido há relativamente pouco tempo o Inocência Perdida e os Bebés de Auschwitz estava a precisar de algo mais suave, mas como o livro foi emprestado por uma colega resolvi dedicar-me a esta leitura. Fiquei mais uma vez surpreendida pelo meu desconhecimento do mundo e dos humanos. Quem viveu uma Segunda Guerra Mundial, este mundo devia ter mais juízo. Uma coisa é, esporadicamente, ouvirmos umas notícias acerca da Coreia do Norte e acharmos que são todos loucos; outra coisa é lermos este relato na 1.ª pessoa e pensar "Que sorte que eu tenho de ter nascido em Portugal!" O livro espantou-me pela amplitude que tem. A descrição da vida na Coreia do Norte é atroz e confesso que inicialmente achei que era um pouco fantasiosa. É um livro biográfico. A autora, mulher de força, descreve com uma simplicidade de quem viveu as inúmeras carências de uma infância e adolescência perdidas, e arrasta-nos para uma espiral de sofrimento e ... pasmem-se: esperança. Ela nasceu e pass…