Avançar para o conteúdo principal

Esteja eu onde estiver, Romana Petri #marçofeminino


Resultado de imagem para esteja onde estiver livro

Romana Petri é italiana, desconfiei. Como é que uma italiana vai escrever um livro de Portugal, ainda por cima com 567 páginas?! e desenrolado ao longo do século XX?!

Margarida, mulher sofrida, sem casa, apaixona-se por Carlos Freitas, que lhe deixa uma casa arrendada, uma filha e mágoa de um grande amor casado e com aspirações financeiras maiores.

Custódia, solteirona, casa com galã machista, Belmiro, que gosta de dinheiro e muitas mulheres. Vive amargurada, mitigando a sua dor de forma egoísta e singular. É patroa de Margarida, a quem deverá os poucos momentos de felicidade da sua vida.

Maria do Céu, filha de Margarida, afilhada de Custódia. Mulher forte e lutadora, como a sua mãe, cria 3 filhos de um marido ausente, Tiago, traidor e fraco. 

Rita, Vasco e Joana, filhos de Maria do Céu e Tiago ficamos a conhecê-los e com vontade de saber o resto das suas vidas.

Ainda conhecemos Violeta, uma deficiente física, irmã de Belmiro, que cuida de Maria do Céu, mas nunca é aceite pelo irmão.

Este livro retrata-nos as histórias das primeiras três mulheres, envolvendo-nos numa narrativa que ocorre em Portugal, Lisboa, e nos prende desde a primeira personagem. Fala-nos de personagens imperfeitas, de erros repetidos, de destinos emendados e de maternidade, do amor maior, dos filhos. Aliás, o amor parece-nos de várias formas, singular, despedaçado, sofrido, retomado, estranho, mas... amor. As personagens desfilam aos nossos olhos, odiamo-las e amamo-las com a mesma intensidade e no fim... apetece-nos mais.

"Maria do Céu esboçou um sorriso, para entrar no jogo agarrou a mão da mãe e encostou-a à boca como se recuperasse a língua que depois mostrou fazendo uma careta. Não havia janela naquele vão de escada, para arejar era preciso abrir a porta, embora o ar que entrava daquela maneira fosse pesado e cheirasse a mofo. Aquilo que nunca entrava naquele cubículo era a luz. Margarida dizia-lhe sempre que sem luz não há vida, e falava-lhe sempre da pequena casa que tinham quando ela nascera, uma casa pobre, mas com uma janela que dava para os telhados de Lisboa e para o Tejo. Maria do Céu pensou que a casa que tinha encontrado tinha a mesma vista, mas não disse nada à mãe para não a afligir. Quantas vezes tinham passado diante da porta daquela casa! E de todas as vezes Margarida fazia-a parar e dizia-lhe "Foi aqui que nasceste." Diante daquela frase, Maria do Céu sentia sempre uma dor do peito, como um abrandamento da respiração, uma oclusão. Ao dizer aquela frase a mãe ficava radiante e ela sentia-se morrer. A casa, a casa onde os seus pais se tinham amado, a casa onde o seu pai enganara a sua mãe. Ainda o esperava? "

Este livro serviu também para integrar o desafio #marçofeminino. Escrito por uma mulher e sobre mulheres.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Hotel Ruanda em livro

Depois do grande sucesso que foi o filme "Hotel Ruanda", eis que surge o livro.
Durante o apogeu do moticínio naquele país africano, Paul Ruseagabina arriscou a vida para salvar 1300 refugiados, protegendo-os no interior do hotel.
O livro vai mais longe que o filme, ao relatar parte do passado do humilde gerente do hotel, tal como a sua vida desde os terríveis eventos. Explora ainda a sua educação e experiência enquanto primeiro gerente ruandês de um hotel europeu. A vida do próprio chegou a estar em perigo, pois enquanto Hutu casado com uma Tutsi, era visto como um alvo a abater.

in Os Meus Livros

Não vi o filme, mas como começo sempre ao contrário, primeiro vou ler o livro. Se já viram comentem e contem-me como é.

Fico triste

Faço um esforço tremendo para me colocar no lugar do outro. Faço mesmo! Todos os dias tento não ser precipitada nem impulsiva nas minhas respostas porque não me coloquei no lugar do outro. É verdade que isto me custa imenso, porque por norma sou a típica mulher com "pelo na venta", que tem sempre a resposta preparada e pronta a ser disparada assim que me sinto ameaçada ou me deparo com alguma situação que considero injusta. Imponho-me então esta disciplina diária e melhorei nas minhas respostas mais ponderadas, polidas e mais assertivas, mas... quando percebo que do outro lado não há o mesmo esforço e o dedo é apontado na minha direção ou na de alguém que não se pode explicar, fico perdida... apetece-me mandar tudo para um real sitio que eu cá sei. O meu aperfeiçoamento está a ter frutos e em vez disso tento explicar o meu ponto de vista e aguardo que me respondam com argumentos válidos, que me façam repensar as minhas posições. Quando isso não acontece...bem... ou opto pel…

O fim da inocência, de Francisco Salgueiro

Olá,
este livro lê-se num ápice. Numa linguagem simples e com um enredo brutal e verídico, é um livro de e para adolescentes. Como mãe, fiquei chocada que, enquanto professora, já desconfiava. A narradora perde, segundo ela, tardiamente, a virgindade, com 14 anos. Foi violada por 2 homens que lhe montaram uma armadilha. Esta, adolescente, de classe média alta conta, de forma demasiado real, a vida e objetivos dos adolescentes atuais. Não se enganem se pensavam ser rebeldes. Eles sabem tudo sobre nada. O vazio com que se debatem, a procura incessante em novas emoções no sexo, que é vulgarizado como algo carnal apenas, e nas drogas é atroz. Os riscos constantes, as violações de privacidade, de intimidade. É difícil de digerir, é inconsequente, é... inverosímil, cremos nós. Todo o livro gira em torno do sexo e das drogas e da visão do mundo dos adolescentes. Este livro dói, magoa até ao limite do absurdo. Porquê? Como? O que fizeram ou não fizeram aos nossos adolescentes?
"Nessa noi…