Avançar para o conteúdo principal

Porque escolhi viver, Yeonmi Park

Depois de ter lido há relativamente pouco tempo o Inocência Perdida e os Bebés de Auschwitz estava a precisar de algo mais suave, mas como o livro foi emprestado por uma colega resolvi dedicar-me a esta leitura.
Fiquei mais uma vez surpreendida pelo meu desconhecimento do mundo e dos humanos. Quem viveu uma Segunda Guerra Mundial, este mundo devia ter mais juízo. Uma coisa é, esporadicamente, ouvirmos umas notícias acerca da Coreia do Norte e acharmos que são todos loucos; outra coisa é lermos este relato na 1.ª pessoa e pensar "Que sorte que eu tenho de ter nascido em Portugal!"
O livro espantou-me pela amplitude que tem. A descrição da vida na Coreia do Norte é atroz e confesso que inicialmente achei que era um pouco fantasiosa.
É um livro biográfico. A autora, mulher de força, descreve com uma simplicidade de quem viveu as inúmeras carências de uma infância e adolescência perdidas, e arrasta-nos para uma espiral de sofrimento e ... pasmem-se: esperança.
Ela nasceu e passou a infância na Coreia do Norte, onde os seus pais, como forma de sobrevivência, se dedicavam ao contrabando. Reflete a profunda ligação que une a família, composta também por uma irmã (que também tem um livro editado, mas que ainda não li). A adversidade trouxe-lhes uma ligação profunda e inquebrável. 
Ao entrar na adolescência e na esperança de escapar à fome, decidem, ela e a mãe, fugir para a China (a irmã mais velha já tinha fugido e estava desaparecida). Na Coreia do Norte ninguém pode decidir mudar de país só porque lhes apetece, esta fuga é uma traição ao ditador, e os traficantes humanos valem-se disso para prosperar num negócio ilícito de esposas escravas. As mulheres chegam à China, são, muitas vezes, violadas, vendidas a esposos que não conhecem e sacrificadas pela sua fraca condição de desertoras. Devido às políticas entre estes dois países, elas não são consideradas refugiadas e, se apanhadas, são repatriadas para a Coreia do Norte, com todo o mal que isso acarreta. Com a sua fuga, Yeonmi e a mãe, colocaram a vida de toda a restante família em risco e, todos eles, perderam empregos ou foram impossibilitados de ascender a uma classe superior.
Depois da China, estas mulheres conhecem uma rede clandestina, fundada à luz do cristianismo, que lhes possibilita a entrada na Coreia do Sul, mais uma vez por um trilho clandestino. Lá são, finalmente, consideradas refugiadas e conhecem o sabor da liberdade (sobretudo a de pensamento).
A autora, em busca da sua irmã, torna-se um símbolo da coragem e dá voz ao sofrimento do povo da Coreia do Norte.
Hoje, estou mais atenta ao que se passa nesse país, sobretudo por tudo aquilo que o povo não consegue conhecer, nem sonhar. Não pensem que o livro está desatualizado. É de 2015!!! 
Agora apetece-me perguntar: O que se passa com o mundo? Como é que nós conseguimos viver neste mundo sabendo que há um país, onde o tempo parou e todos os seus habitantes idolatram um líder completamente lunático, onde não há liberdade, nem sequer de pensar!!!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O início da socialização

A família é um lugar previligiado da socialização e é lá que tudo se inicia. Ainda hoje algumas crianças ficam, durante os primeiros anos de vida, entregues aos cuidados dos avós. Por volta dos 3-4 anos surge a dúvida - será que é melhor que se mantenham com os avós, ou é preferível inscrevê-los no pré-escolar? Os avós têm as suas vantagens no que respeita ao monopólio das atenções e da disponibilidade total, contudo, ao ingressarem no ensino pré-escolar, as crianças são obrigadas a adquirir hábitos, regras e, sobretudo, a interagir com os outros, isto é, aprendem a partilhar. É o começo de uma etapa, em que a socialização é a pedra-de-toque. As crianças necessitam de conviver de perto com outras da sua idade, para aprenderem a viver em conjunto. Nesta fase, as brincadeiras em grupo são geralmente de índole teatral ou criativa. Aos 4-5 anos, tendem a brincar aos pares ou então sozinhas. É a educadora que os divide, porque se não tenderiam a agrupar-se por sexos - meninas para um lado …

O ano da morte de Ricardo Reis, José Saramago

Olá,
já é sobejamente conhecida a minha antipatia pelo nosso Nobel da literatura. Juro ao mundo que tenho tentado, já li 4 livros do autor, comprei 2 (por obrigação). Os meus colegas (malta das letras) diz maravilhas do senhor, que, por acaso, é meu vizinho por nascimento, mas... à exceção do Memorial do Convento, nada me agrada. O referente ao título nem se fala... é que aquilo nunca mais acabava... Consigo perceber a história do existencialismo, da contextualização histórica, da crítica aos costumes... bla, bla, bla. O livro tem 600 páginas, por amor da santa!!!!! O Ricardo Reis é uma seca, o fantasma do Pessoa até tem piada, as referências aos heterónimos, a Lisboa, à nossa História, mas caramba!!! Dava para fazer em 200. Questão: é obra obrigatória no 12.º ano, como é que os adolescentes vão ler aquilo, se não liam Os Maias?!?!?!?! Será que eles têm maturidade e conhecimentos culturais que os capacitem a perceber a obra? Não!!!!!!!! Quem escolheu este livro não anda nas nossas es…

Hotel Ruanda em livro

Depois do grande sucesso que foi o filme "Hotel Ruanda", eis que surge o livro.
Durante o apogeu do moticínio naquele país africano, Paul Ruseagabina arriscou a vida para salvar 1300 refugiados, protegendo-os no interior do hotel.
O livro vai mais longe que o filme, ao relatar parte do passado do humilde gerente do hotel, tal como a sua vida desde os terríveis eventos. Explora ainda a sua educação e experiência enquanto primeiro gerente ruandês de um hotel europeu. A vida do próprio chegou a estar em perigo, pois enquanto Hutu casado com uma Tutsi, era visto como um alvo a abater.

in Os Meus Livros

Não vi o filme, mas como começo sempre ao contrário, primeiro vou ler o livro. Se já viram comentem e contem-me como é.