Avançar para o conteúdo principal

O rapaz do rio, de Tim Bowler

Olá,

mais uma leitura, desta feita no âmbito da literatura infanto-juvenil.
Muitas vezes deparo-me com a dificuldade de sugerir leituras aos meus alunos. Embora as diretrizes nos mandem sugerir obras presentes nas listas do Plano Nacional de Leitura, a verdade é que é, por vezes, difícil para os alunos fazer leituras que dali constem. As bibliotecas escolares não estão apetrechadas de forma conveniente, ou não estão arrumadas de forma conveniente, ou os alunos não podem comprar as obras, ou não há biblioteca municipal... ok, já perceberam!
Muitas vezes vou, apenas, controlando o que eles lêem, contando que o façam, para mim, está ótimo.
Assim, um dos meus objetivos é continuar a conhecer algumas das obras que constam das ditas listas, apesar de algumas delas serem completamente irrealistas.
Então, desta vez li a obra mencionado no título. Ainda que eu saiba que as 156 páginas que o compõem sejam suficientes para assustar qualquer adolescente "normal" hoje me dia, o livro lê-se muito facilmente porque tem poucas personagens e o enredo é simples de entender. Fala-nos da relação entre um avô e uma adolescente de 15 anos, Jess. Este avô, sempre tão presente na vida da neta, sabe que vai partir em pouco tempo, mas tem um objetivo: concluir um quadro autobiográfico. Conseguirá?

"Então ela tinha razão. Mas eles deviam ter sabido que o avô se recusaria a ir para um hospital; e sem dúvida não queria ver ninguém porque sabia que o médico iria falar do mesmo modo que a mãe e o pai."


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Porque escolhi viver, Yeonmi Park

Depois de ter lido há relativamente pouco tempo o Inocência Perdida e os Bebés de Auschwitz estava a precisar de algo mais suave, mas como o livro foi emprestado por uma colega resolvi dedicar-me a esta leitura. Fiquei mais uma vez surpreendida pelo meu desconhecimento do mundo e dos humanos. Quem viveu uma Segunda Guerra Mundial, este mundo devia ter mais juízo. Uma coisa é, esporadicamente, ouvirmos umas notícias acerca da Coreia do Norte e acharmos que são todos loucos; outra coisa é lermos este relato na 1.ª pessoa e pensar "Que sorte que eu tenho de ter nascido em Portugal!" O livro espantou-me pela amplitude que tem. A descrição da vida na Coreia do Norte é atroz e confesso que inicialmente achei que era um pouco fantasiosa. É um livro biográfico. A autora, mulher de força, descreve com uma simplicidade de quem viveu as inúmeras carências de uma infância e adolescência perdidas, e arrasta-nos para uma espiral de sofrimento e ... pasmem-se: esperança. Ela nasceu e pass…

O viajante assassino

Olá,
esta foi a minha última leitura e... não gostei. Não sou propriamente indicada para falar deste tipo de livro. Não sou muito fã de policiais, mas de vez em quando arrisco. Arrisquei e não gostei. O livro é extenso, tem 447 páginas e muita gente. São muitas personagens e intrigas, mas, sobretudo, muitas descrições (até receitas tem!!!).  Começa com o assassínio da mulher e filha de um policial entregue ao álcool. Tem marcas específicas e um modus operandi muito particular, que apesar de interessante, não é explorado na totalidade. Desfilam inúmeras personagens e situações, a meu ver, demasiado coincidentes para serem verídicas e, como seria de esperar, o assassino é um "suposto" conhecido / amigo, que desconfiei a meio do livro. Enfim, gostei pouco e achei um desperdício de páginas. A minha edição é da Presença e data de 2005.
"Quando uma trama começa a desvendar-se, tudo acontece muito depressa. Tivemos sorte naquele dia. Toda a gente acaba por ser bafejada pela so…

O início da socialização

A família é um lugar previligiado da socialização e é lá que tudo se inicia. Ainda hoje algumas crianças ficam, durante os primeiros anos de vida, entregues aos cuidados dos avós. Por volta dos 3-4 anos surge a dúvida - será que é melhor que se mantenham com os avós, ou é preferível inscrevê-los no pré-escolar? Os avós têm as suas vantagens no que respeita ao monopólio das atenções e da disponibilidade total, contudo, ao ingressarem no ensino pré-escolar, as crianças são obrigadas a adquirir hábitos, regras e, sobretudo, a interagir com os outros, isto é, aprendem a partilhar. É o começo de uma etapa, em que a socialização é a pedra-de-toque. As crianças necessitam de conviver de perto com outras da sua idade, para aprenderem a viver em conjunto. Nesta fase, as brincadeiras em grupo são geralmente de índole teatral ou criativa. Aos 4-5 anos, tendem a brincar aos pares ou então sozinhas. É a educadora que os divide, porque se não tenderiam a agrupar-se por sexos - meninas para um lado …