Avançar para o conteúdo principal

"Presságios de fogo"



Terminei a leitura deste título que muito me agradou. Tal como a autora, Mario Zimmer Bradley, já nos habituou estamos perante um livro que defende a figura feminina de forma arrebatadora. Desta feita temos Cassandra, jovem profetisa insatisfeita com o papel social da mulher, mas que não pode deixar de o ser. Ela é filha do rei Príamo, obcecado pela defesa da cidade de Troia, mas que não ouve as mensagens dos Deuses por virem da boca de uma mulher. Gémea de Páris que é pastor e gémeo abandonado devido a um culto de que filhos gémeos trazem azar. Ela vê pelos seus olhos, o que não lhe garante uma maior aproximação do irmão quando finalmente é reconhecido pelo Rei - pai. Pela sua insatisfação é criada pelas amazonas, mulheres guerreiras que não arriscam a presença masculina para além da reprodução, mas que pela fraqueza feminina e guerra masculina acabam por ser exterminandas.
Cassandra sucumbe à beleza de Eneias quando tinha prometido a sua virgindade ao Deus Sol, acaba por ter um filho do inimigo de seu pai, mas no final cria um novo reino com um respeitador profeta, a quem foi conferida essa tarefa.
Quase todos os homens morrem numa guerra iniciada pelo rapto da mulher Helena, que encarna Afrodite, deusa do amor. No final quase todas as mulheres sofrem os dissabores dessas perdas.
Uma escrita forte, com imagens violentas e enternecedoras que tão bem se misturam com a história e com o mito.
A edição é da DIFEL, mas contém alguns erros ortográficos e de troca de personagens. Foi adquirido numa feira do livro por apenas 4 euros. Recomenda-se a leitura das excelentes 454 páginas.
 
"Mas as mulheres começavam a despertar e, em poucos instantes, as vozes e o movimento à sua volta abalaram a tranquilidade de que necessitava para se manter no estado que lhe permitia segui-lo. Levantou-se, apenas ligeiramente desapontada, e correu a buscar a sua égua.
Nos dois dias seguintes, por uma ou duas vezes conseguiu vislumbrar o seu irmão conduzindo o touro engalanado, atravessando um rio (onde estragou as sandálias) e juntando-se a outros viajantes que conduziam gado enfeitado como o seu touro; mas nenhum dos animais era tão puro e tão belo."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Hotel Ruanda em livro

Depois do grande sucesso que foi o filme "Hotel Ruanda", eis que surge o livro.
Durante o apogeu do moticínio naquele país africano, Paul Ruseagabina arriscou a vida para salvar 1300 refugiados, protegendo-os no interior do hotel.
O livro vai mais longe que o filme, ao relatar parte do passado do humilde gerente do hotel, tal como a sua vida desde os terríveis eventos. Explora ainda a sua educação e experiência enquanto primeiro gerente ruandês de um hotel europeu. A vida do próprio chegou a estar em perigo, pois enquanto Hutu casado com uma Tutsi, era visto como um alvo a abater.

in Os Meus Livros

Não vi o filme, mas como começo sempre ao contrário, primeiro vou ler o livro. Se já viram comentem e contem-me como é.

Estórias abensonhadas, de Mia Couto

Todos os ingredientes que poderíamos esperar deste autor... cheiro de África, som de actualidade e ruralidade, visões deslumbrantes dos miticos seres humanos que em todo lado habitam. Apesar de não ser apreciadora de livros de contos e o ter começado a ler, mais por fazer parte do PNL do que por interesse, gostei e fui-me deixando embalar pelas diferentes histórias que se desfilavam provocadoras de curiosidade. Adoro o tipo de escrita o complicado simplificado deste autor, e assim, adorei as Estórias Abensonhadas.
O meu exemplar pertence à editora Caminho e possui 213 páginas, onde se inclui um glossário de termos africanos, que acaba por passar despercebido, pois o vocabulário desconhecido é facilmente entendido pelo contexto em que está inserido.
" - O fogo é um rio. Deve-se colher pela fonte.   - Essa fonte: nós não sabemos o seu lugar. Era de noite, a mulher chamou o muene e fez com que se deitasse sobre a terra. E ela se cobriu nele, corpo em lençol de outro corpo. Nenhum home…

Uma verdade simples, de Jodi Picoult

Leitura agradável, mas não brilhante. É um livro que se lê facilmente, apesar de não me ter cativado no início. Para ser sincera só a mais de meio consegui nutrir algum interesse pela história. Até lá, achei o livro banal, expectável e cinematográfico. Considero que não é um livro mau, apenas não é a minha onda.  Então, relata a história de uma rapariga amish, que é acusada de matar o seu próprio filho à nascença e da sua advogada cosmopolita e mal resolvida amorosamente. A advogada não acredita na sua inocência, mas resolve ajudá-la a pedido de Leda, sua tia. Depois disso surgem as peripécias. A advogada acaba por acreditar na sua inocência quando ela se considera culpada, entretanto reapaixona-se pelo psicólogo que defende a acusada, que por sua vez era um namorado antigo. A acusada revela, aos poucos, a verdadeira história da noite da morte e enfrenta a dificuldade entre escolher o pai do filho, pertencente ao mundo normal e a sua vida simples de amish. O que lhe aconteceu? É culp…