Avançar para o conteúdo principal

Estórias abensonhadas, de Mia Couto

Todos os ingredientes que poderíamos esperar deste autor... cheiro de África, som de actualidade e ruralidade, visões deslumbrantes dos miticos seres humanos que em todo lado habitam.
Apesar de não ser apreciadora de livros de contos e o ter começado a ler, mais por fazer parte do PNL do que por interesse, gostei e fui-me deixando embalar pelas diferentes histórias que se desfilavam provocadoras de curiosidade. Adoro o tipo de escrita o complicado simplificado deste autor, e assim, adorei as Estórias Abensonhadas.

O meu exemplar pertence à editora Caminho e possui 213 páginas, onde se inclui um glossário de termos africanos, que acaba por passar despercebido, pois o vocabulário desconhecido é facilmente entendido pelo contexto em que está inserido.

" - O fogo é um rio. Deve-se colher pela fonte.
  - Essa fonte: nós não sabemos o seu lugar.
Era de noite, a mulher chamou o muene e fez com que se deitasse sobre a terra. E ela se cobriu nele, corpo em lençol de outro corpo. Nenhum homem nunca havia dormido com aquelas da outra margem. A mulher, no fim, lhe beijou os olhos e neles ficou um sabor de gota. Era uma lágrima de sangue, ferida da terra. A lágrima chorava, clamando que se costurassem as duas margens em que sua carne se havia aberto. A mão dele se ensonou sobre o suave abismo dela."

"Lenda de Namarói", in Estórias Abensonhadas, Mia Couto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Hotel Ruanda em livro

Depois do grande sucesso que foi o filme "Hotel Ruanda", eis que surge o livro.
Durante o apogeu do moticínio naquele país africano, Paul Ruseagabina arriscou a vida para salvar 1300 refugiados, protegendo-os no interior do hotel.
O livro vai mais longe que o filme, ao relatar parte do passado do humilde gerente do hotel, tal como a sua vida desde os terríveis eventos. Explora ainda a sua educação e experiência enquanto primeiro gerente ruandês de um hotel europeu. A vida do próprio chegou a estar em perigo, pois enquanto Hutu casado com uma Tutsi, era visto como um alvo a abater.

in Os Meus Livros

Não vi o filme, mas como começo sempre ao contrário, primeiro vou ler o livro. Se já viram comentem e contem-me como é.

Fico triste

Faço um esforço tremendo para me colocar no lugar do outro. Faço mesmo! Todos os dias tento não ser precipitada nem impulsiva nas minhas respostas porque não me coloquei no lugar do outro. É verdade que isto me custa imenso, porque por norma sou a típica mulher com "pelo na venta", que tem sempre a resposta preparada e pronta a ser disparada assim que me sinto ameaçada ou me deparo com alguma situação que considero injusta. Imponho-me então esta disciplina diária e melhorei nas minhas respostas mais ponderadas, polidas e mais assertivas, mas... quando percebo que do outro lado não há o mesmo esforço e o dedo é apontado na minha direção ou na de alguém que não se pode explicar, fico perdida... apetece-me mandar tudo para um real sitio que eu cá sei. O meu aperfeiçoamento está a ter frutos e em vez disso tento explicar o meu ponto de vista e aguardo que me respondam com argumentos válidos, que me façam repensar as minhas posições. Quando isso não acontece...bem... ou opto pel…