Avançar para o conteúdo principal

Perdoai as nossas ofensas, de Romain Sardou

Ao início não gostei nada, demasiados pormenores e informação, os nomes das personagens eram difíceis de fixar, enfim...pensei que tinha uma "seca" pela frente, metade do livro foi passado a "mastigá-lo" e a olhar para a prateleira dos que ainda não mereceram a minha atenção. Depois, foi-me entusiasmando e acabei por achá-lo tragável. 
Uma história intimamente ligada à igreja e aos seus métodos, por vezes, pouco ortodoxos, para evangelizar infiéis, desenrola-se a história entre os padres bons e maus, a busca de uma verdade escondida, o segredo da personalidade torta dos religiosos... não é uma leitura fácil, mas que acaba por envolver o leitor persistente.

"Os dois correios deviam partir com toda a urgência.
A primeira missiva era dirigida ao senhor Enguerran du GrandCellier no seu castelo de Morvilliers ou em qualquer local dos seus domínios.
Aja selou as duas cartas com o seu anel episcopal: uma cruz e uma máscara. Sem recomendação suplementar, o secretário desapareceu com aqueles manuscritos codificados segundo as normas de segurança em uso."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Hotel Ruanda em livro

Depois do grande sucesso que foi o filme "Hotel Ruanda", eis que surge o livro.
Durante o apogeu do moticínio naquele país africano, Paul Ruseagabina arriscou a vida para salvar 1300 refugiados, protegendo-os no interior do hotel.
O livro vai mais longe que o filme, ao relatar parte do passado do humilde gerente do hotel, tal como a sua vida desde os terríveis eventos. Explora ainda a sua educação e experiência enquanto primeiro gerente ruandês de um hotel europeu. A vida do próprio chegou a estar em perigo, pois enquanto Hutu casado com uma Tutsi, era visto como um alvo a abater.

in Os Meus Livros

Não vi o filme, mas como começo sempre ao contrário, primeiro vou ler o livro. Se já viram comentem e contem-me como é.

Fico triste

Faço um esforço tremendo para me colocar no lugar do outro. Faço mesmo! Todos os dias tento não ser precipitada nem impulsiva nas minhas respostas porque não me coloquei no lugar do outro. É verdade que isto me custa imenso, porque por norma sou a típica mulher com "pelo na venta", que tem sempre a resposta preparada e pronta a ser disparada assim que me sinto ameaçada ou me deparo com alguma situação que considero injusta. Imponho-me então esta disciplina diária e melhorei nas minhas respostas mais ponderadas, polidas e mais assertivas, mas... quando percebo que do outro lado não há o mesmo esforço e o dedo é apontado na minha direção ou na de alguém que não se pode explicar, fico perdida... apetece-me mandar tudo para um real sitio que eu cá sei. O meu aperfeiçoamento está a ter frutos e em vez disso tento explicar o meu ponto de vista e aguardo que me respondam com argumentos válidos, que me façam repensar as minhas posições. Quando isso não acontece...bem... ou opto pel…

O fim da inocência, de Francisco Salgueiro

Olá,
este livro lê-se num ápice. Numa linguagem simples e com um enredo brutal e verídico, é um livro de e para adolescentes. Como mãe, fiquei chocada que, enquanto professora, já desconfiava. A narradora perde, segundo ela, tardiamente, a virgindade, com 14 anos. Foi violada por 2 homens que lhe montaram uma armadilha. Esta, adolescente, de classe média alta conta, de forma demasiado real, a vida e objetivos dos adolescentes atuais. Não se enganem se pensavam ser rebeldes. Eles sabem tudo sobre nada. O vazio com que se debatem, a procura incessante em novas emoções no sexo, que é vulgarizado como algo carnal apenas, e nas drogas é atroz. Os riscos constantes, as violações de privacidade, de intimidade. É difícil de digerir, é inconsequente, é... inverosímil, cremos nós. Todo o livro gira em torno do sexo e das drogas e da visão do mundo dos adolescentes. Este livro dói, magoa até ao limite do absurdo. Porquê? Como? O que fizeram ou não fizeram aos nossos adolescentes?
"Nessa noi…